JAC T40 CVT: o motor 1.6 mais potente do Brasil é de um chinês

Notícias

QUATRO RODAS
26/06/2018
JAC T40 CVT: o motor 1.6 mais potente do Brasil é de um chinês

Versão automática do t40 estreia novo motor 1.6 a gasolina, mais forte e com start-stop, e corrige problemas da versão manual


Shenzhen era apenas uma vila de pescadores com 30.000 habitantes em 1980, quando se tornou a primeira zona econômica especial da China.


Hoje a cidade é considerada o Vale do Silício do país e é lar de 12 milhões de pessoas. As coisas mudam muito rápido na China e isso reflete em seus produtos.


O JAC T40 chegou no ano passado com motor 1.5 e câmbio manual. Um motor com pouca força em baixas rotações e um câmbio com engates longos. Essas características não estão na versão automática CVT.


Não é só pelo câmbio, que simula seis marchas, mas também pelo novo motor 1.6 16V com duplo comando de válvulas variável e start-stop – que desliga a central multimídia toda vez que dá partida no motor novamente.


São 138 cv e 17,1 mkgf de torque que fazem dele o 1.6 aspirado mais potente do Brasil. Entrega mais força em baixas rotações e consumiu menos em ciclo urbano em nossos testes de pista: 14,3 km/l em ciclo urbano contra 13,5 km/l da versão manual. Na estrada, porém, o 1.5 fez 15,3 km/l e o 1.6 conseguiu 13,6 km/l.


O mérito (ou demérito) do menor consumo na cidade pode ser creditado ao câmbio, fornecido pela belga Punch Powertrain.


A resposta do motor ao acelerador é mais rápida que no motor 1.5, mas o CVT demora um pouco para reagir. Isso na posição Drive, que, de tão morosa, parece mais adequada para uma manhã de domingo do que para o dia a dia.


Na posição Sport as reações são melhores, mais compatíveis com o que se espera de um CVT hoje. Contudo, mesmo com 13 cv e 1,6 mkgf a mais que o 1.5, quando com gasolina, o novo motor 1.6 conseguiu apenas manter o mesmo tempo de zero a 100 km/h da versão manual: 12,3 s.


Há algo de bom nesse câmbio CVT: a boa redução de relação que faz ao identificar descidas. Funciona como redução de marcha para aumentar o freio-motor, o que economiza combustível e freio. As respostas aos comandos sequenciais na alavanca (não há borboletas) são rápidas.


Mais agradável ao volante, o JAC T40 consegue destacar suas qualidades. O acabamento é bom, bem montado e tem faixa de couro sintético no painel. Também é espaçoso no banco traseiro, apesar dos 2,49 m de entre-eixos, pois o assento foi recuado em direção às caixas de roda.


A diferença de preço entre o T40 manual e o CVT é de R$ 10.000 – R$ 59.990 contra R$ 69.990.


Em contrapartida, a lista de equipamentos tem a mais ar-condicionado automático, bancos de couro sintético, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros e quadro de instrumentos exclusivo, com melhor visibilidade, mas conta-giros e velocímetro tão pequenos quanto os de um Ka.


Além disso, há central com tela de 8 polegadas, controles de estabilidade e tração, hill-holder, piloto automático e câmera que grava o trânsito à frente.